Por que mesmo?

“Por que essas ONGs ensinam os jovens a baterem latinha como o Mano Brown, dançar como Ivete Sangalo e fazer teatro como Ze Celso, mas não formam pedreiros, marceneiros, costureiras, carpinteiros, funileiros, mecânicos, etc?” – Valeria Rodrigues

Anúncios

Duas coisas iguais não são a mesma coisa

Igual, mas não o mesmo.

Igual, mas não o mesmo.

Estou examinando livros didáticos para meu filho e vejo que o problema começa no analfabetismo dos escritores de livros didáticos. Já na página 13, o autor lasca o seguinte enunciado em um exercício:

“Pinte com a mesma cor as figuras que têm a mesma forma”.

Ora, raios, como um sujeito pode escrever um livro didático e não saber a diferença entre “mesmo” e “idêntico”? “Pinte com cor idêntica as figuras que têm forma igual” ou “Pinte com o mesmo lápis de cor (não o troque por outro!) as figuras que têm forma idêntica”.

Se é para pintar as figuras que têm “a mesma forma”, a resposta correta é não pintar figura alguma!

Mas como explicar para essa anta que não existem “gêmeos mesmos” mas “gêmeos idênticos”? Que um gêmeo é uma pessoa “idêntica” a seu irmão mas não é “a mesma pessoa”?

Quanto mais tempo na escola, melhor?

Estudar é coisa que se faz em casa.

Estudar é coisa que se faz em casa.

FATO: Cada hora a mais na escola é UMA HORA A MENOS DE ESTUDO!
Estudar não é ficar sentado de boca aberta ouvindo besteirol. Estudar é pegar um livro, ler e fazer exercícios. Então, quanto mais tempo as crianças passam na escola, menos tempo elas têm para estudar.

Consequentemente, quanto mais o Brasil aumenta a carga horária nas escolas, PIOR é o desempenho nos testes internacionais.

É lógico que, ao menos teoricamente, se a escola faz o aluno estudar, cada hora a mais dentro da escola representará uma hora a mais de estudo, portanto, melhor será o desempenho nos testes.

Agora, seja aqui ou no Japão, as pessoas aprendem MESMO é na hora do dever de casa. Aula serve só para explicar como faz os deveres… E para corrigir os deveres. Ilusão achar que se aprende alguma coisa sentado ouvindo.

Ah, tá, você aprende. Mas, como logo aprende quem estuda estatística, “eu e todos os meus amigos” não somos amostra representativa de coisa nenhuma!

Só 1,1% têm aproveitamento superior a 90% na redação do ENEM

Gráfico mostra distribuição de notas por participantes

Fonte: Enem 2012: Veja exemplos de redações nota 1000 – Jornal O Globo.

Não adianta espernear: o sucesso é da elite que estuda e se esforça. O resto é MASSA.